Organização responsável pelo Projeto Guri muda de nome e busca expandir sua atuação


rgb_marca_sustenidos_vertical_assinatura_01

Sustenidos é o novo nome da Associação Amigos do Projeto Guri, uma Organização Social de Cultura, sem fins lucrativos, que gere o Projeto Guri no interior e litoral do estado de São Paulo, além de polos de ensino em centros de internação da Fundação CASA. Ao longo de sua trajetória, já atendeu a mais de 770 mil crianças e jovens, oferecendo mais de 30 cursos gratuitos de música. Agora, com o intuito de expandir a sua atuação e reforçar a sua identidade, a entidade muda de nome.

“O reposicionamento da marca decorreu do nosso novo planejamento estratégico. Nos demos conta de que, já havia alguns anos, vínhamos desenvolvendo outros projetos além do Guri, e que, apesar de não terem a mesma escala dessa política pública, esses novos projetos expandiram ainda mais nossa capacidade de realização. Ninguém conhecia o nome da organização, apenas o do Guri, o que provocava quase uma confusão de identidades entre a instituição e os programas geridos por ela. Ao criar essa nova marca, deixamos clara nossa vocação para ir além daquilo que já realizamos”, aponta Alessandra Costa, Diretora Executiva da Sustenidos.

Presente na lista das cem melhores ONGs para doar, a Sustenidos também ganhou o selo de Melhor ONG de Cultura em 2018 – o prêmio é o maior reconhecimento do terceiro setor no Brasil e foi criado para valorizar organizações filantrópicas que merecem destaque por suas práticas de gestão e transparência.

Especialista na implantação e gestão de políticas públicas de cultura, a Sustenidos já nasce com experiência em gerenciar ações de forma descentralizada: desde 2004, comanda o Projeto Guri, que é maior programa sociocultural brasileiro, em mais de 280 municípios paulistas. Outra especialidade da OS é sua atuação em parceria, sempre envolvendo setores públicos e privados.

Além dos recursos que recebe do Governo do Estado de São, a organização conta com a participação de outras esferas governamentais, como prefeituras e entidades do sistema de garantia de direitos da Criança e do Adolescente.

Também recebe o apoio de outras organizações do terceiro setor, de pessoas físicas, além de ser patrocinada por mais de 30 empresas e participar do Programa Visa Causas. Essas empresas, que abraçam os projetos da OS, podem apoiar os programas da Sustenidos por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente – Fumcad.  “Essa capacidade de articulação que a organização adquiriu ao longo de seus 22 anos de existência – mobilizando poder público, iniciativa privada e sociedade civil para a consecução de políticas culturais que beneficiam a população – é um de nossos maiores patrimônios. Pretendemos usar este mesmo modelo de ação conjunta para implantar novos programas de formação e difusão musicais, voltados para o público infantojuvenil, em territórios nos quais ainda não atuamos. A ideia é fazer isso gradualmente, para mantermos o padrão de excelência que sempre buscamos. O formato desses novos programas seria desenhado conjuntamente pela Sustenidos e pelos nossos eventuais parceiros – sejam eles públicos ou privados”, esclarece Alessandra Costa.

As colaborações internacionais também fazem a diferença na atuação da Sustenidos. Uma de suas parcerias mais importantes é com a Jeunesses Musicales Internationales (JMI), a maior organização mundial dedicada ao desenvolvimento musical de jovens. Criada em 1945, a ONG belga reúne organizações musicais de cerca de 70 países e possibilita a troca de experiências e o intercâmbio de estudantes e profissionais. Desta parceria com a JMI, decorreu a gestão de outros três projetos que envolvem tanto a diversidade musical quanto o desenvolvimento humano. São eles: o Festival Imagine Brazil, uma competição entre jovens que contempla todos os gêneros musicais e prevê a troca de experiência com festivais semelhantes, na Europa e na África; o Ethno Brazil, que promove a imersão cultural de jovens músicos vindos de todos os cantos do mundo; e o MOVE, um programa de intercâmbio e voluntariado entre organizações musicais de diferentes países.

Sobre a Sustenidos
Eleita a Melhor ONG de Cultura de 2018, a Sustenidos administra o Projeto Guri, o festival Imagine Brazil, o festival Ethno Brazil e o programa de intercâmbio MOVE. Desde 2004, é responsável pela gestão do Projeto Guri no litoral e no interior do estado de São Paulo, incluindo os polos da Fundação CASA. Além do Governo de São Paulo, a OS conta com o apoio de prefeituras, organizações sociais, empresas e pessoas físicas. Instituições interessadas em investir na Amigos do Guri, contribuindo para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, têm incentivo fiscal da Lei Rouanet e do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Pessoas físicas também podem ajudar. Saiba como em sustenidos.org.br/apoie

Sobre o Projeto Guri
Mantido pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, o Projeto Guri é o maior programa sociocultural brasileiro e oferece, nos períodos de contraturno escolar, cursos de iniciação musical, luteria, canto coral, tecnologia em música, instrumentos de cordas dedilhadas, cordas friccionadas, sopros, teclados e percussão, para crianças e adolescentes entre 6 e 18 anos (até 21 anos nos Grupos de Referência e na Fundação CASA). Cerca de 50 mil alunos são atendidos por ano, em quase 400 polos de ensino, distribuídos por todo o estado de São Paulo. Os mais de 330 polos localizados no interior e litoral, incluindo os polos da Fundação CASA, são administrados pela Sustenidos, enquanto o controle dos polos da capital paulista e Grande São Paulo fica por conta de outra organização social. A gestão compartilhada do Projeto Guri atende a uma resolução da Secretaria que regulamenta parcerias entre o governo e pessoas jurídicas de direito privado para ações na área cultural. Desde seu início, em 1995, o Projeto já atendeu mais de 770 mil jovens na Grande São Paulo, interior e litoral.

Imagine Brazil
O Imagine Brazil é uma competição voltada para jovens músicos e que contempla todos os gêneros musicais. Criado pela Jeunesses Musicales International (JMI), maior ONG de música para jovens do mundo, o Imagine é realizado no Brasil em parceria com a Sustenidos. No Imagine Brazil é permitida a participação de solistas e grupos de até oito pessoas, entre 13 e 21 anos, residentes no Estado de São Paulo. Além de valorizar a mistura de estilos musicais, o festival incentiva o contato com diferentes culturas e a troca de experiências. O vencedor do Imagine Brazil garante uma vaga na final internacional e um workshop preparatório que o orienta para a grande disputa, que ocorre no ano seguinte em um dos países participantes. Todas as despesas do ganhador são pagas pelo concurso.

Ethno Brazil
No Brasil, o festival Ethno é realizado por meio da parceria internacional estabelecida entre a Sustenidos e a JMI (Jeunesses Musicales International), instituição que fomenta o Ethno em 18 países, há quase 30 anos. O Ethno surgiu na Suécia, em 1990, com a missão de manter vivas as tradições culturais para jovens gerações por meio de um acampamento musical. Partindo de workshops e apresentações, o objetivo é promover o diálogo entre culturas. Enquanto dividem o mesmo espaço, os participantes partilham músicas, tradições e culturas. Juntos, fazem workshops nos quais uns ensinam aos outros as canções tradicionais de seu país. Em essência, o evento é uma maneira democrática de aprendizagem entre pares com uma pedagogia não-formal. Já foram realizadas duas edições no país.   

MOVE
O Musicians and Organizers Volunteer Exchange (MOVE) é um programa de intercâmbio e voluntariado entre as organizações musicais JMNorway, Trøndertun Folk High School,  Music Crossroads Malawi, Music Crossroads Moçambique e Sustenidos. Desde 2015, o Move – Musicians and Organizers Volunteer Exchange é realizado no Brasil.  Ex-alunos e educadores do Projeto Guri, de 18 a 25 anos, podem participar do programa de intercâmbio. Atualmente, seis jovens brasileiros são eleitos para passar uma temporada de dez meses nos outros países participantes: Noruega, Malaui e Moçambique. O Brasil também recebe seis voluntários estrangeiros, que atuam dando aulas e oficinas no Projeto Guri.